Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017 -
ITABIRA

Liminar determina que Prefeitura não pague salários reajustados a secretários e vice-prefeita

Decisão do juiz Fabrício Simão da Cunha Araújo, da 2ª Vara Cível de Itabira, atende a manifestação do Ministério Público, que considerou irregular a mudança na remuneração aprovada pela Câmara de Vereadores no fim do ano passado
18/04/2017 16h05
Rodrigo Andrade
DEFATO
Salário da vice-prefeita Dalma Barcelos e dos secretários do prefeito Ronaldo Magalhães terão que voltar ao patamar de 2015, determinou Justiça

O juiz Fabrício Simão da Cunha Araújo, da 2ª Vara Cível de Itabira, concedeu liminar nessa segunda-feira, 17 de abril, para impedir que a Prefeitura pague salários reajustadas à vice-prefeita Dalma Barcelos (PDT) e aos secretários municipais do governo Ronaldo Magalhães (PTB). A decisão foi publicada nesta quarta-feira, 18, e atende a um pedido do Ministério Público, que considerou irregular a mudança na remuneração aprovada pela Câmara de Vereadores no fim do ano passado.

Até o fim de 2016, o cargo de vice-prefeito fazia jus a remuneração de R$ 9.369,64 e o de secretário municipal a R$ 7.933,75. Esses salários estão estipulados na Lei 4.842/15, sancionada pelo ex-prefeito Damon Lázaro de Sena (PV) em outubro de 2015, que determinou corte de aproximadamente 25% nas remunerações do prefeito, vice e de todo primeiro escalão da administração pública alegando dificuldades financeiras. No fim do ano passado, porém, a equipe de transição de Ronaldo Magalhães solicitou à Câmara tramitação de projeto para retornar com as remunerações ao patamar que era antes da redução, o que foi feito. 

Com a aprovação da Lei 4.937/16 na Câmara de Vereadores, os salários da vice-prefeita e dos secretários municipais passaram a ser de R$ 11,5 mil a partir de janeiro de 2017. O argumento do atual governo para solicitar o reajuste foi de que não seria possível montar uma equipe forte de primeiro escalão com o salário que vigorava até o fim de 2016. Além disso, a administração petebista também defendeu que os cortes que seriam implementados seriam suficientes para equacionar as novas remunerações. 

O promotor Renato Ângelo Salvador Ferreira, no entanto, questionou a maneira como o projeto foi aprovado. Na concepção do representante do Ministério Público, apesar de as Constituições Federal e Estadual e a Lei Orgânica do Município não estipularem expressamente que a lei que fixa os subsídios deve ser aprovada antes das eleições, esse deve ser o procedimento a ser adotado. As legislações falam apenas em aprovação na legislatura anterior.

A ação do MP inclui cópias de matérias veiculadas na imprensa que apontam para a solicitação da equipe de transição do atual governo, o que foi confirmado, na época da votação, pelo então presidente da Câmara, Rodrigo Diguerê (PV). Para o promotor, o fato de Câmara ter conhecimento de quem seria o próximo prefeito contraria os princípios da moralidade e da impessoalidade. A peça ainda cita as dificuldades econômicas pelas quais passam o município e inclui jurisprudências que levaram em conta esses argumentos e resultaram em decisões desfavoráveis aos ocupantes de cargos públicos.

Para acatar o pedido de liminar, o juiz Fabrício Simão levou em consideração o fato de os pagamentos acontecerem todo mês, o que, na opinião dele, poderá gerar danos ao erário municipal “já que dificilmente conseguirá reaver integralmente os montantes pagos à maior, especialmente por se tratar de verba alimentar”.

“Posto isso, defiro o pedido de tutela provisória de urgência para determinar que o município de Itabira se abstenha de fazer pagamentos ao vice-prefeito e aos secretários municipais de acordo com a Lei nº 4.937, de 2016, devendo proceder tais pagamentos de acordo com a Lei nº 4.482, de 2015, até ulterior deliberação judicial neste processo”, determinou o juiz, que ainda estipulou multa de R$ 30 mil por cada pagamento efetuado após a decisão.

Ainda na decisão, o juiz da 2ª Vara Cível de Itabira determinou que intimação seja encaminhada ao prefeito Ronaldo Magalhães para que cumpra o que determina a liminar, sob risco de ser responsabilizado pessoalmente com multa de R$ 19.490,32 a cada pagamento efetuado e aplicação de medidas que podem chegar até a uma ação por improbidade administrativa.

A decisão cabe recurso. Procurada pela reportagem de DeFato Online, a Prefeitura de Itabira, por meio de sua Assessoria de Comunicação, afirmou que só irá se manifestar depois que o prefeito Ronaldo Magalhães for notificado pela Justiça, o que ainda não ocorreu. 

Se você não tem Facebook, utlize o formulário abaixo para comentar.
19/04/2017 - 13h39
José Raimundo M. Sylas Jr
Itabira
Considerando a situação financeira de nosso município, a Câmara Municipal deveria dar o mesmo exemplo de cortes de despesas, cortar 2 dos 4 cargos de assessores, que cada vereador tem direito. Qual o horário de trabalho deles? Qual a rotina de trabalho ? Qual retorno dão ao cidadão ? Sou professor e tenho de lecionar em duas escolas para sobreviver, mais o trabalho escolar em casa. NEYDSON, é sua vez de fazer o que prometeu, baixar as despesas da Câmara, reduzindo 02 cargos por vereador. Continuamos acreditando que pode e vai fazer, mas não espere muito.
3 0
19/04/2017 - 06h57
Caen Rodrigues
Itabira
Parabéns ao judiciário, atualmente o poder que vem se destacando nesta cidade, procurando corrigir os malfeitos do legislativo e executivo da cidade. Uma luz no fim do túnel.
3 0
18/04/2017 - 18h57
Ronan
Itabira
Parabéns aos nobilíssimos representantes do Ministério Público e da Justiça. Orgulho para os itabiranos.
3 0
18/04/2017 - 18h43
Ronan
Itabira
Parabéns ao Ministério Público e à Justiça de Primeira Instância de Itabira. Servidores públicos sérios trabalhando. Orgulho para todos nós.
3 0
18/04/2017 - 17h20
Ronan Fernandes
Itabira
Parabens ao Ministerio Publico por fazer justica. Todo servico ao cidadao a desculpa eh de que o pais esta em crise a arrecadacao da PMI caiu, mas para dar aumento antes mesmo de comecar a trabalhar, embora a opiniao publica tenha se manifestado. Parece que em Itabira nao se tem conhecimento do MP e da PF, que estao atuantes. Espero sinceramente, que o chefe do executivo, reconheca o erro, a medida impopular e nao procure recorrer. E que as proximas acoes seja de proveito da comunidade itabirana.
3 0
Novo comentário
Sou cadastrado
Não sou cadastrado
Comentário
Leia mais em: Política
Mais
Emprego